• Este livro é pra quem é e vai ser mãe. Pra quem é e vai ser pai. Seja lá qual for o seu papel nessa aldeia tão fundamental para educar uma criança, o livro é pra quem quer aprender ainda mais sobre a importância do vínculo, da presença e das boas memórias nos primeiros 1001 dias de vida de um bebê.
  • “Weaning” é a transição gradual que um bebê faz até deixar de se alimentar exclusivamente de leite materno, um processo que pode levar anos. O livro “BLW: o desmame guiado pelo bebê” é sobre o início desse processo de desmame, desde o primeiro pedaço de comida sólida que o bebê ingere. Esses primeiros alimentos sólidos não substituem o leite materno (ou a fórmula láctea infantil), mas fazem com que a dieta fique gradualmente mais diversificada. Na maioria das famílias, o desmame é guiado pelos pais, que decidem quando e como seus bebês deverão comer. A ideia do BLW é permitir que o bebê guie todo o processo, usando seus instintos e habilidades: em vez de papinhas, são oferecidos legumes, frutas e outros alimentos sólidos em pedaços para que ele próprio os pegue com as mãos e coma de maneira autônoma, abrindo um mundo de boas possibilidades para seu desenvolvimento.
    Entre os benefícios estão o desenvolvimento da capacidade de mastigação do bebê, de sua destreza manual e da coordenação entre as mãos e os olhos. Com a ajuda dos pais, ele descobre uma grande variedade de alimentos saudáveis e aprende importantes habilidades sociais – enquanto come apenas a quantidade de que precisa, o que diminui as chances de desenvolver sobrepeso na infância. Mas, acima de tudo, ele vai gostar disso e estará mais contente e confiante nas refeições em família.
  • O livro relata como foi a experiência dos autores, cartunistas, com seus bebês. Não somente ‘como deram conta do recado’ mas também sobre o que ‘não deram conta’. Sem julgamentos. A lente do humor não permite isso. Não é mais um manual, um discurso absoluto, pelo contrário. É um convite aos novos pais e mães se inspirarem com o novo, o inédito, o inusitado.
  • “A orientação de um livro ou de um profissional raramente é explícita. A orelha do livro deveria dizer claramente: “Este livro parte do princípio de que as crianças precisam da nossa atenção”. Ou então: “Neste livro supomos que as crianças nos fazem de bobos na primeira oportunidade”. O mesmo deveriam fazer os pediatras e psicólogos na primeira consulta. Assim, as pessoas seriam conscientes das diferentes orientações e poderiam comparar e escolher o livro ou o profissional que se adapte melhor às suas próprias crenças.”Com uma narrativa leve e deliciosa, o pediatra espanhol Carlos González deixa claro os propósitos do seu livro: uma educação dos filhos com base no amor, no respeito e na liberdade.
  • Baralho colorido com 55 cartas (22 pares de pais e filhos e um ‘mico” sem pai que é o Pai Triarcado)Do ilustrador e autor do livro Diário ilustrado da paternidade, Rodrigo Bueno.
  • Quantas vezes você estava em uma consulta ou lendo um artigo ou assistindo a uma entrevista ou participando de uma roda de conversa com amigas e alguns termos técnicos apareceram e você não conseguiu entender a informação? Isso também pode acontecer em relação à amamentação, dificultando, algumas vezes, a compreensão e a execução de ações que poderiam favorecer o aleitamento materno. Então, segue aqui a primeira versão do Dicionário Amamentês / Português. Aproveite!Esta seleção de termos foi colhida originalmente pelo pediatra MOISES CHENCINSKI e publicada em forma de artigo no site da Sociedade Brasileira de Pediatria. A nossa vontade é que este dicionário cresça e ganhe o mundo, ampliando a #culturadaamamentação para toda a sociedade. Apoie, compartilhe, divulgue, proteja e promova a amamentação você também!
  • Promoção!

    Kit Só mãe mesmo

    R$74,70
    LIVROS: Só Mãe Mesmo + Só Grávida Mesmo + brinde da editora
  • Um livro feito por mães, relatando as experiências de mães durante o isolamento social do Covid-19 em 2020. São 40 relatos com muita humanidade, muita maternidade e perspectivas que trazem à tona muita identificação entre mulheres.
  • Uma das maiores satisfações em publicar "Mamãe desobediente" foi o retorno que recebi de tantas mulheres que se conectaram de uma forma ou de outra com a obra, que se sentiram acompanhadas, que deram palavras a seus sentimentos, que encontraram informação, que se reconheceram nas experiências que o livro reúne, que acharam um caminho para começarem a curar suas feridas, que se indignaram, que sabem que não estão sozinhas e que não são as únicas.Muitos profissionais da saúde que acompanham mulheres na gravidez, no parto e no aleitamento também leram a obra e me escreveram. A grande maioria em sintonia com os conteúdos, outros expressando algumas discordâncias, mas todos com a firme vontade de apoiar as mães. Creio ser fundamental contar com profissionais que, no respeito e na escuta, estejam ao lado das mulheres. Da mesma forma, é fundamental estabelecer pontes de diálogo com eles para mudar tudo o que não funciona no atendimento de saúde à gravidez, ao parto, ao pós-parto e ao aleitamento. Se em alguma medida esta obra contribuir para isso, eu me dou por satisfeita.Espero que esta edição no Brasil chegue a muitas mulheres, sejam elas mães ou não, e a muitos homens, porque a maternidade e a criação nos implicam a todos. Nestas páginas, escrevo sobre maternidade a partir da minha própria experiência como mãe e a partir de uma perspectiva feminista, e abordo um amplo leque de temas, normalmente silenciados, como os problemas de infertilidade, a dor de uma perda gestacional, a violência obstétrica, a depressão pós-parto, a impossível conciliação ou as dificuldades para dar de mamar na sociedade atual, entre outras questões. Confio que aqui vocês encontrarão respostas, refúgio, sororidade e apoio.[da Apresentação]
  • Uma conversa sincera e amiga sobre a gravidez. Para quem é mãe de primeira viagem (e até mesmo para quem é de segunda, terceira) e está buscando se informar de uma forma coerente, amigável, aprendendo uma forma mais leve de viver a gestação. Mais empoderada, consciente e mais tranquila. É de mãos dadas com a leitora que a Alessandra Gaidargi conversa. Afinal, só Grávida Mesmo sabe de algumas coisas!Alessandra Gaidargi, mãe do Alexei Ian, é natural de Santos mas o coração já é de São Paulo/SP, onde mora com a família; é jornalista e PhD em Educação, além de escritora, educadora, pesquisadora, taurina, teimosa, versátil enfim!
  • Imaginem uma conversa franca sobre maternidade. Esse é o tom que Alessandra Gaidargi dá ao livro Só Mãe Mesmo. Escolhas de como criar, puerpério, amamentação, avalanche de sentimentos e emoções após se tornar mãe, ressignificar muitas relações e buscas novas histórias. Aqui, olheiras incluídas, coque de mãe e leite vazando fazem parte de uma conversa entre amigas mães sobre maternidade. Só Mãe Mesmo para entender o que queremos dizer!Alessandra Gaidargi, mãe do Alexei Ian, é natural de Santos mas o coração já é de São Paulo/SP, onde mora com a família; é jornalista e PhD em Educação, além de escritora, educadora, pesquisadora, taurina, teimosa, versátil enfim!
  • Um bebê que tem a oportunidade de mamar o leite materno recebe um presente para a vida toda!O livro Um presente para a vida toda é um texto reconhecido no mundo materno como uma das “bíblias da amamentação”. Seu conteúdo é informativo, mas sua linguagem é clara e acessível. O dr. González é um autor experiente, um pesquisador obstinado e um pediatra que se coloca no lugar do bebê, nos oferecendo um ponto de vista preciso, mas amoroso e pouco intervencionista.

    QUEM É CARLOS GONZÁLEZ?

    Doutor em pediatria e autor de vários livros sobre educaçãoalimentação e saúde infantil, licenciado pela Universidade Autônoma de Barcelona e especialista em amamentação pela Universidade de Londres, CARLOS GONZÁLEZ é considerado um dos maiores ícones da atualidade em defesa da amamentação e da criação com apego. “Sou um pediatra a favor das crianças”, assim ele se define.

Ir ao Topo